Skip navigation

O escritor russo Nikolai Leskov

O escritor russo Nikolai Leskov

Quem sempre ouviu falar de Walter Benjamin mas nunca sabia por onde começar a ler, está aqui minha sugestão: “O Narrador”, um ensaio sobre a obra do escritor russo Nikolai Leskov. Menos construído sobre uma linha argumentativa e dedutiva, Benjamin se vale das suas “imagens dialéticas” para “cristalizar” o raciocínio. O resultado é um texto tanto objetivamente axiomático quanto subjetivamente comovente, e suas expressões acompanham o leitor no dia-a-dia pela legitimidade como aproximam a crítica de uma forma estética própria.

Leskov é um narrador (um “storyteller”), não um romancista. Romancista é Proust, o homem isolado da sociedade que procura destilar o “sentido de uma vida”. Leskov está próximo do trabalho artesanal – chega a afirmar em carta que “a literatura é um trabalho manual”.

O argumento de Benjamin é muito simples e poderoso: a capacidade de contar histórias está diminuindo cada vez mais, e com ela a possibilidade de trocar nossas experiências. O narrador é essa figura de um passado que vai ficando cada vez mais para trás. Em contraposição à narração, com suas “múltiplas camadas transparentes”, Benjamin coloca a informação. “Cada manhã recebemos notícias de todo o mundo. E, no entanto, somos pobres em histórias surpreendentes. A razão é que os fatos já nos chegam acompanhados de explicações.”

Seja no arquétipo do agricultor que residiu sempre no mesmo lugar e é dotado da sabedoria do passado, seja no marinheiro que viajou por todo o mundo e goza da sabedoria do distante, o narrador é dotado da capacidade de dar conselhos, prática que envolve a sugestão de como continuar uma história mais do que dizer o que fazer. A narração é o espaço da memória, “a mais épica das faculdades”. O contrário do narrador é o homem capaz de comentar qualquer coisa, desde que não dure mais do que um instante.

Na narrativa se imprime a experiência do narrador, “como as mãos do oleiro na argila do vaso”. Com a “queda das ações da experiência” vai-se a capacidade de contar histórias, o que por sua vez tranca cada vida vivida em si mesma, esgarçando a comunidade.

Li há um bom tempo A Pulga de Aço de Leskov, provavelmente sua obra mais conhecida, não sei onde poderia recomendar ao gentil leitor e à tenaz leitora deste site onde procurarem, mas asseguro que vale a pena. Quanto ao ensaio de Benjamin, pode ser encontrado nas Obras Escolhidas editadas pela Ed. Brasiliense e o leitor pode ficar certo que não irá se deparar com terminologias obscuras comuns a tanto filósofos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: