Skip navigation

Bem, a saga épico-tradutória Kappa, do japonês Akutagawa Ryunosuke, levada a cabo por este que vos escreve em companhia de Ricardo Carnieri, nipponicus inteligibus maximus, está um pouco atrasada. A verdade é que o capítulo em que paramos, o [14] é um pouco mais extenso (não tanto, verdade seja dita) o que nos obrigou a mais de um encontro para (não) terminá-lo. Enfim, ninguém é de ferro, atrasar é humano, quem nunca atrasou que atire a primeira pedra etc, todas essas coisas que se pode dizer nessas situações. Estamos quase no fim (mais três capitulos) e em breve teremos material para mais um lançamento.

Falando em lançamento, os textos dos próximos livros já foram enviados para o Bá em São Paulo, diagramaticus excelenticus incontestabilus e responsável pelo split Falso Branco/Ordinária Hit cujo soldadinho do encarte já se tornou praticamente lendário. Então, as coisas estão seguindo seu rumo.

Enfim, para o deleite do leitor assíduo ou não-tão assíduo deste blog deixo aqui mais uma tradução de um poema de Jules Laforgue.  Tem este ótimo site em francês que hospeda, creio eu, todos os poemas do autor em sua língua original. Então vamos lá, mais um poema traduzido de Jules Laforgue.

LAMENTAÇÃO-PETIÇÃO DE FAUSTO JÚNIOR

Jules Laforgue

Se soubesses, mãe Natureza,

Que Me amo em tua lassidão,

Davas filha de uma pureza,

Casta ao “e então?”

Se tu soubesses que almôndegas

Teus sóis de Panurge! opino,

Tu britavas o nosso onde as

Luzes têm pino.

Se soubesses que teu Índice

É, de fato, o meu forte,

Tal contador meu fim desse,

Que conta à morte!

Soubesse! tanta fantasia!

Fermentará tudo em Mim!

Tu farás de mim tua Sósia,

Simples assim.

tradução: Nils Skare

Complainte-Placet de Faust fils

Si tu savais, maman Nature,
Comme Je m’aime en tes ennuis,
Tu m’enverrais une enfant pure,
Chaste aux « et puis ? »

Si tu savais quelles boulettes,
Tes soleils de Panurge ! dis,
Tu mettrais le nôtre en miettes,
En plein midi.

Si tu savais, comme la Table
De tes Matières est mon fort !
Tu me prendrais comme comptable,
Comptable à mort !

Si tu savais ! les fantaisies !
Dont je puis être le ferment !
Tu ferais de moi ton Sosie,
Tout simplement.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: